terça-feira, 24 de maio de 2016

segunda-feira, 11 de abril de 2016

The Kindness of Strangers


"At times peace seems an impossibility.
Then I remember the anxious Israeli soldier who warned me to be careful because I looked like him and the Palestinians might stone me.
I remember the Palestinians in Bethlehem who told me not to go outside because the Israelis would be sure to mistake me for an Arab and shoot me.
I remember the old man in Jenin who saved me from being stoned.
I like to imagine a moment in which I am able to bring them all together, introduce them to each other and explain the part they have played in my story.
Above all, I like to imagine a time when they see beyond the anger, frustration and hatered and recognize the familiarity of the people next door."


in "The way I look" by Anthony Sattin

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

A Idade de Ser Feliz

Existe somente uma idade para a gente ser feliz,
somente uma época na vida de cada pessoa
em que é possível sonhar e fazer planos
e ter energia bastante para realizá-las
a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.

Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente
e desfrutar tudo com toda intensidade
sem medo, nem culpa de sentir prazer.

Fase dourada em que a gente pode criar
e recriar a vida,
a nossa própria imagem e semelhança
e vestir-se com todas as cores
e experimentar todos os sabores
e entregar-se a todos os amores
sem preconceito nem pudor.

Tempo de entusiasmo e coragem
em que todo o desafio é mais um convite à luta
que a gente enfrenta com toda disposição
de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO,
e quantas vezes for preciso.

Essa idade tão fugaz na vida da gente
chama-se PRESENTE
e tem a duração do instante que passa.

Mário Quintana

sábado, 2 de janeiro de 2016

2016

Que 2016 seja um ano recheado de novos desafios e de momentos supercalifragilistic expialidocious!

Aproveitemos este novo começo para pensar no que é realmente importante, para arrumar "a casa", fazer planos e seguir em frente com o que nos faz realmente sentido e por vezes fica esquecido no meio da correria e do atropelo, do nosso trânsito mental, dos pensamentos ocupados, sempre atrasados para chegar, fazer, ser qualquer coisa... ufa...

Be tolerant.
Be madly in love with life and others.
e sobretudo...
Be the change you wish to see in the world e deixem-se de cocozices porque não nos vai levar a lugar algum*

Toca a andar, há muito para fazer e gozar !!
Um 2016 em grande para todos!

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Ela é daquelas que sorri para a vida

"Meio maluca, às vezes. Não está nem aí para o que vão pensar das suas atitudes, se for para pular de um penhasco, ela pulará. E se for para ficar em casa a assistir a um filme, enquanto os seus amigos vão sair para a noite, ela ficará. Ela é assim, imediatista, vive tudo o que a vida proporciona. Não liga para o que terá que enfrentar para alcançar o seu objetivo, o importante é alcançar. E quando consegue, a vida fica de pé para lhe dar os parabéns. É como se fosse uma troca de favores, ela
sorri para a vida e a vida sorri de volta.

Ela é daquelas que tem uma coragem absurda, nunca abre mão do que quer.
E quer, quer muito. Ela acredita como se fosse o último acontecimento da sua existência. Grita, bate o pé, chora, fica triste, mas não desiste.
Sabes como é o nome disso? Uns dizem que é manha, outros dizem que é coisa de menina mimada, eu prefiro acreditar que é fé. Fé na vida. Ela é dessas que carrega um potinho de fé para onde quer que vai. É que ela tem fé que vai conseguir, acredita que uma hora a vida vai sorrir. Deve ser por isso que a vida quase sempre lhe sorri de volta.

Ela é daquelas que tem um amor que não cabe em si, por isso nunca desistiu do amor. Faz parte da sua personalidade, mas que personalidade é essa que aguenta todas as rasteiras da vida e do amor? Ela aguenta, no início diz que nunca mais, chora horrores, depois veste-se de uma carapuça dura e fria e fala que o amor realmente não existe. Mas é só conversa esfarrapada, mais tarde ou mais cedo lá está ela, de novo no amor. Ela é daquelas que se entrega, por isso quebra sempre a cara.
Volta para casa como se tivesse batido a cara num poste, mas logo passa e lá está ela de novo: pronta para mais um acidente. Ela é daquelas que não desiste e acredita no amor. Ela sabe, que por mais que demore, que por mais que ela tenha que quebrar muito a cara, um dia o amor vai sorrir de volta. É como cuidar de uma flor: nós regamos, adubamos, voltamos a regar, todos os dias damos uma atenção especial para ver como anda o crescimento, vemos se algum galhinho sobreviveu à tempestade do dia anterior e cuidamos, diariamente. Tudo isso para ela florescer. E quando floresce, lá fica ela: grande, linda e a dar um bom dia para o sol. Assim é o amor e é nisso que ela acredita.

Ela é daquelas que quando não consegue algo, chora. Viste só o quanto ela chora? Não é manha, não, é medo. Medo de não conseguir, de não ser.
Ela tem essa mania de querer de ser a melhor em tudo. Não é egoísmo, é só uma maneira de provar para si mesma que é capaz.
Lembras-te quando eu disse que ela enfrenta tudo e se entrega? Não é só no amor, é na vida. Ela entrega-se para as dificuldades, enfrenta-as, mesmo que no final ela tenha que sair toda ensanguentada. Mania de se entregar de corpo, alma e mente para tudo, entendes?

Por isso digo, se um dia tu encontrares no teu caminho uma pessoa leve, de bem com a vida, livre, a sorrir à toa, que só de tu chegares perto já te sentes bem e renovado, ou se tu encontrares pelas ruas uma pessoa que não esteja de cara fechada, que não esteja a andar à pressa e que te transmita paz só de a olhares, podes ter a certeza, ela é daquelas que sorri para a vida, na esperança desta lhe sorrir de volta."

Texto de Ana Batista de Barros



quinta-feira, 5 de novembro de 2015

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

terça-feira, 23 de setembro de 2014

terça-feira, 26 de agosto de 2014

quarta-feira, 28 de maio de 2014

terça-feira, 27 de maio de 2014

I

like a weak candlelight,
he walked throught the dark and cold streets
longing for the sun to appear
and give back his strenght

at each dark corner, he knew he would find the wind
blowing like if it was his birthday
but he kept walking
hugging himself as if,
if he didn't,
he would disintegrate


the little boy was afraid



terça-feira, 13 de maio de 2014

sábado, 29 de março de 2014

e depois?

deparou-se com toda aquela confusão e sentou-se num canto a observar. cruzou as pernas e ali ficou, como se observar fosse a missão mais importante do mundo

a correria e o atropelo, o trânsito mental daquelas gentes, os seus pensamentos ocupados, sempre atrasadas para chegar, fazer, ser qualquer coisa

e os ponteiros do relógio giravam feitos lâminas de uma trituradora a cortar o tempo em pedaços evaporáveis

e os dias fizeram-se noites e as noites dias, até que tudo teve um fim.

sábado, 15 de março de 2014

saído do fundo do baú


correr atrás do tempo para ganhar tempo e ter tempo de sentir o tempo a passar...
Foi como se derrepente acordasse de uma daquelas sestas deliciosas de fim de tarde na praia.
Havia um fascínio inocente que a envolvia ao encarar o mundo de bochechas rosadas e sorriso pateta.
Não sabia bem o quê, mas naquele momento, alguma coisa tinha mudado.



terça-feira, 19 de junho de 2012

Mau ke mana? Ba ne'ebe? Where are you going? Onde vais?

Há dias em que vemos a vida como um mar de possibilidades
E outros em que isso simplesmente assusta :)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

É fascinante a forma como sabemos tudo quando somos crianças.
Qual é a tua cor preferida?
Gostas mais de andar de bicicleta ou ir a praia?
Gostas mais do frio ou do calor?
Gostas mais da Maria ou do João?
O que queres ser quando fores grande?
Porquê?
3 segundos e temos uma resposta na ponta da língua.

Mas heis que, no processo de passagem de criança para adulto, quando, supostamente, deveria haver um aumento crescente na capacidade de decisão e argumentação, ficamos à "toa".
E em vez de darmos respostas claras, questionamo-nos infindavelmente sobre as nossas respostas provisórias.
Será que tomei a decisão certa? E se for antes por ali?
E o Boss final deste nível adultesco de perguntas é o bixo mais feio e poderoso de todos, que deita fogo pelas narinas, tem dentes aguçados, unhacas encaracoladas e venenosas e olhos profundos e ameaçadores que nos invadem a alma e nos sugam a energia até ao tutano:
"- Sou feliz?"

Assim que o vemos pensamos logo em ir ao google e arranjar uma cheat manhosa para passar o nível sem termos de "gastar as vidas" do heroi do jogo.
E até vão aparecendo algumas cheats interessantes que nos ajudam formular respostas positivas...
que atordoam o bixo, uns "don't worry be happy" por aqui e por ali, mas não lhe conseguem dar o golpe final.

Porque o bixo assusta, pois. A vida é só uma e não sabes bem se a estás a aproveitar, ou se estás apenas a escrever uma história bonita de contar.
Há momentos e momentos claro. Há os em que nada disto tem peso ou importância, mas há outros que em que o sentimento de "desperdicio de tempo" e de solidão pesa toneladas.

"A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca" Paulo Freire
E
"Na busca do conhecimento, todos os dias algo é adquirido,
Na busca do Tao, todos os dias algo é deixado para trás.
E cada vez menos é feito
até se atingir a perfeita não-ação.
Quando nada é feito, nada fica por fazer.
Domina-se o mundo deixando as coisas seguirem o seu curso.
E não interferindo"

"Devemos agir de acordo com a nossa vontade apenas dentro dos limites da nossa natureza e sem tentar fazer o que vai para além dela. Devemos usar o que é naturalmente útil e fazer o que espontaneamente podemos fazer sem interferir na nossa natureza. E não tentar fazer aquilo que não podemos fazer ou tentar saber aquilo que não podemos saber. A felicidade é essa "não-ação"."
Tao Te Ching

E é então, neste seguir do Tao, no seguir de um caminho.Sempre colocando um pé a frente do outro - sem medos. Umas vezes mais à toa do que à Tao. Outras a levar "tao tao" e a ter, assim, de usar a cheat "don't worry be happy", para restabelecer energias.

E finalmente damos uso ao golpe especial"espontaneadade fluída" em jeito de kamehameha.
Conseguindo uma resposta afirmativa à pergunta e matar o bixo "imortal".

huge rhinoceros

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

"Porque eu só estou bem, aonde não estou"


Já dizia o Antonio Variações ... e bem (?)

"Saudade" é melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou ações.

Então se sempre que estamos longe de alguma coisa sentimos "saudade" dela e quando estamos longe dessa outra coisa que nos faz estar longe da primeira, sentimos saudade.
É como se estivessemos condenados a viver submersos numa melancolia constante temperada com a insatisfação permanente de sentir a ausência de algo...

"Que grande cocó", podia eu pensar...

Mas a grande questão é que isto, como tudo na vida, é relativo.

Saudade...é também a dor formiguenta e prazeirosa que se aloja no peito, são as borboletas doidas varridas que esvoaçam no estomago, são os abraços calorosos que se sentem ao recordar.

Acaba por ser então uma insatisfação que se vivencia com a mais pura das satisfações... sádicas, é uma dor gostosa; é um coração cheio, mas apertado.

somos uns bixos muito esquisitos mesmo...

(suspiro)